Materiais para maquetes de Arquitetura: como acertar na escolha?

As maquetes têm grande importância na arquitetura, já que elas são essenciais para o estudo de volumes e de espaços. As maquetes físicas visam criar uma proximidade entre o arquiteto e o projeto com os testes feitos com as próprias mãos. Mas como acertar na escolha dos materiais para maquetes? Descubra a resposta para essa pergunta com nossas dicas a seguir!

Defina o seu objetivo

Essa etapa é importante para definir se, de fato, vale a pena construir uma maquete, e como ela deve ser feita. Portanto, leve em conta se o investimento vai trazer algum retorno. Lembre-se de que as maquetes superam os desenhos quando se deseja mostrar o resultado de uma obra a pessoas interessadas.

Além disso, as maquetes são ótimas para o estudo de volumes e de proporções. Nesse caso, o ideal é usar fitas adesivas para ter mais liberdade e flexibilidade para mudar a posição e o tamanho dos seus elementos.

Estabeleça a escala

Definir a escala é informar o que você quer mostrar com a maquete. Um lote, uma praça ou um bairro? Quanto maior for a sua maquete, mais detalhes ela deve conter, senão ela vai ficar muito simples e vazia. O contrário também exige atenção: muitos detalhes em uma maquete de tamanho pequeno poluirão o trabalho. Portanto, defina a escala para ser mais fácil de montá-la corretamente!

Lembre-se de que a escala é representada na forma X:Y, sendo X a realidade e Y o modelo. Por exemplo: a escala 1:100 quer dizer que cada 1 centímetro da maquete corresponde a 100 centímetros reais.

Escolha os materiais

O segredo de uma boa maquete é não criar objetos como cópias fiéis dos materiais reais, pois o resultado parecerá muito artificial. Em vez disso, apenas sugira uma representação do item real. Por exemplo: para ilustrar uma árvore, não compre miniaturas. Você pode representar volumetricamente o espaço desta árvore com papel, buchas, palhas de aço ou outros materiais disponíveis.

Veja os materiais para maquetes que você vai precisar para cada projeto:

  • para construir paredes em uma maquete, utilize papéis duplex — que possuem brilho de um lado e são foscos do outro — e papéis triplex (cartolinas de alta qualidade);
  • para maquetes rápidas e com menos detalhes, utilize o papel paraná, um tipo de papelão que tem cor e densidade homogêneas;
  • para estudos volumétricos, use o papel pluma ou depron, um tipo de isopor com alta densidade e ótimo acabamento.

Parte do que diferencia a qualidade de uma maquete são os materiais. Não vale a pena perder tempo tentando encontrar um substituto para determinada ferramenta.

Lembre-se que os materiais te ajudarão a contar uma narrativa. Uma maquete com diferentes materiais permite que as pessoas entendam o que está sendo representado de uma forma mais complexa do que uma maquete apenas de papel. Esses materiais, porém, devem ser fáceis de trabalhar. Afinal, a maquete deve complementar seu projeto e não tomar inteiramente o seu tempo.

Use revestimentos coloridos

É possível usar qualquer papel para fazer um revestimento. Para manipulá-los do jeito certo, você deve usar colaestilete.

Invista em boas ferramentas de corte

Em qualquer modelo, você precisará fazer cortes, tornando essa uma das ferramentas mais essenciais na hora de montar maquetes. Cortes limpos e precisos significam acabamentos perfeitos, o que será notado por quem observa a maquete.

Além disso, um estilete sem corte é até mais perigoso do que um com corte. Tenha em mãos um bem afiado, de qualidade e lâminas extras. Ter um par de boas tesouras também poderá te ajudar a economizar tempo.

Uma dica na hora de usar o estilete é passá-lo na mesma direção várias vezes até que as partes se soltem sozinhas. A ideia é usar a paciência, não a força.

Pense na iluminação

Um ambiente bem iluminado evita erros e permite que você observe a sua maquete sem grande esforço visual. Maquetes bem iluminadas também resultam em belas fotografias do seu projeto.

Use uma boa cola

Junto com as ferramentas de corte, a cola é um dos materiais mais importantes para as maquetes. Ninguém quer uma maquete que desmoronará ao menor toque. Assim, como ninguém quer uma maquete coberta por fios e pingos de cola aparente.

Entre as colas mais usadas, pode-se citar a vinílica, que é a cola branca comum. Seu melhor uso é para madeira, já na cartolina costuma enrugar o material. A cola com solvente é indicada para colar papeis, plumas, plásticos e madeiras. Ela é mais usada em superfícies de pequenas dimensões.

Também há a cola em spray, muita utilizada para colagem dos níveis em terrenos, e a cola cianídrica, extremamente resistente e utilizada para colar plásticos. Outros tipos são o clorofórmio, usado para colar exclusivamente isopor. E a cascorez, uma cola branca que, apesar do alto investimento, é muito versátil e dura bastante tempo.

Faça a estrutura da maquete

Seja para maquetes específicas de estruturas ou maquetes de estudo, é comum usar ripas de sobras de madeira, palito de churrasco e até mesmo macarrão do tipo espaguete. Para representar os cabelos, pode-se usar fios em geral.

Represente a vegetação

Árvores costumam ser um elemento muito comum em maquetes. Você pode representá-las de maneira mais abstrata. Para o tronco, use palitos de madeira ou galinhos naturais secos. Já as copas podem ser feitas com esponjas tingidas ou a partir da junção de vários pedaços de metal.

Conheça outros materiais para maquetes que você pode precisar

  • Para fazer chapas opacas, você pode usar cartão pluma, isopor, cartolinas, papelão e papel craft;
  • para chapas transparentes, plexiglas e acetato grosso;
  • para acabamentos de metais, procure por chapas de cobre em lojas de tintas;
  • para usar madeira, prefira folhas de balsa, laminados e perfis para modelismo;
  • para outros acabamentos e efeitos, tenha em mãos esponjas naturais e vegetais, e até mesmo espuma de colchões.

Criar maquetes, além de estimular a criatividade, ajuda o profissional a desenvolver as suas habilidades de criar espaços e profundidade — elementos que, na fase de estudos, são essenciais para testar as possibilidades existentes. Por esse mesmo motivo, é tão importante adquirir materiais para maquetes de ótima qualidade. Assim, os seus trabalhos de arquitetura serão bem mais valorizados.

Gostou deste post e tem interesse em receber mais conteúdos relacionados à arquitetura? Então assine a nossa newsletter!

Você pode gostar de...

2 Respostas

  1. Eliane Pereira disse:

    Muito obrigada

  2. carlos roberto disse:

    Muito bacana achobque eh uma exelente esplicaçao para quem esta começando. Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *