Tinta aquarela: origem, pigmentos, categorias e tipos

Esse artigo é uma adaptação dos artigos dos artistas plásticos Marcelo Albuquerque e Kris Efe, que elaboraram diversas postagens com o intuito de auxiliar quem está começando à aquarelar. Afinal, conhecer bem o material que está usando é o primeiro passo para criar aquarelas melhores.

Curiosidade sobre a origem das tintas

Os primeiros pigmentos eram feitos a partir de pedras e plantas moídas misturadas com líquidos geralmente óleo, água ou gemas de ovos para dar consistência a tinta. Curioso sobre quais eram as bases para as primeiras tintas? Separamos a origem de algumas cores para você:

  • azul ultramar: era feito com o pó de lápis-lazúli;
  • amarelo: obtido por meio de açafrão;
  • marrom: no Egito era feito com restos de múmias esmagadas;
  • preto: vinha da madeira queimada e da fuligem;
  • verde: proveniente do cobre;
  • roxo: obtido por meio de conchas moídas.

A origem da tinta aquarela

Surgiu no século II a.C., era utilizada para pintar diversos materiais, entre eles: papel; couro e tela. Um dos primeiros e mais conhecidos exemplos é o “Livro dos Mortos”, do Antigo Egito. A importância da tinta aquarela se amplia por meio do aumento da propagação e circulação do papel no século XV.

É possível notar exemplos de aquarela na Idade Média, na qual espalhou-se para vários países Europeus, como Inglaterra, França e Itália, onde essa técnica era usada principalmente para pintar gravuras em madeira. Inicialmente era vista com certo preconceito, considerada artesanal, desnecessária e muito feminina para os hábitos da época porque era feita com tintas aguadas e sem sobreposição de camadas umas às outras, o que não exigia tanta técnica do pintor quanto a tinta à óleo.

Livro dos Mortos

Livro dos Mortos, no Antigo Egito.

 

Características da tinta aquarela

Transparente, como o próprio nome indica, baseia-se no uso da água, na qual os pigmentos se transferem para a superfície. Evaporada a água, os pigmentos formam manchas de cores sobre o papel, que se fixa através do aglutinante, similar a uma cola.

A composição

Ela pode conter diversos aditivos, pois se modifica de acordo com o fabricante, mas geralmente a tinta aquarela é composta por:

  • pigmento colorido moído;
  • aglutinante como goma arábica (seiva da árvore, que fixa a cor sobre o papel);
  • agentes umectantes (como mel ou xarope de milho);
  • e glicerina.

Dispostas em diversas embalagens, as mais comuns são as bisnagas ou pastilhas, formatos que não interferem na qualidade da tinta, apenas na forma como é utilizada. Os estojos de aquarela em pastilha, por exemplo, são convenientes para transporte já as bisnagas são melhores para pinturas grandes.

Pigmentos  e seus códigos

Utilizados na fabricação das tintas são separados em três categorias: inorgânicos ou minerais; orgânicos naturais e orgânicos sintéticos. Conheça cada uma delas a seguir:

  • Inorgânicos ou Minerais: De origem mineral, são os mais antigos, que datam do século XIX ou anterior. Algumas das tintas produzidas com esses pigmentos são: cobalt; cadmium; ochre; earth; sienna; umber;
  • Orgânicos Naturais: Menos usados pela sua permanência e opacidade, são derivados de plantas e animais. Alguns dos pigmentos foram banidos pela ameaça de extinção de certos animais, enquanto outros permanecem até hoje. O maior exemplo de pigmento de origem animal ainda usado é o PBk 9, obtido pela queima de ossos de animais;
  • Orgânicos Sintéticos: São os pigmentos mais modernos, mais brilhantes e permanentes feitos através de manipulação de elementos químicos.

Se você não quiser utilizar aquarelas de origem animal, aqui na Grafitti Artes poderá encontrar duas opções de marcas livres de crueldade animal: a Linha Cotman da Winsor and Newton além de todos os produtos da KOH-I-NOOR HARDTMUTH. Conheça também outras marcas de pigmentos veganos no artigo da Kris Efe sobre o tema.

  • Séries: Tintas de qualidade profissional são classificadas em séries sendo a série 1 a mais barata e 5 a mais cara. O que determina esse valor, é a qualidade dos pigmentos utilizados;
  • HUE: Geralmente encontrada nas linhas estudantis, quando a palavra “Hue” estiver atrás do nome da cor significa que ela foi criada com pigmentos sintéticos mais baratos que o original. Essa substituição é feita para tornar a tinta mais acessível. Porém os pigmentos mais baratos tem menor transparência e durabilidade. Em caso de dúvida cheque o guia fornecido pela marca. Exemplos: A cor Cadmium Yellow é criada com um único pigmento: PY 37. Já a  versão Hue é criada com a mistura de três pigmentos: PY 53, PY 138, PY3;
  • Tintas puras e tintas sujas: Sempre cheque de que pigmentos a tinta é constituída. Tintas feitas com mais de um pigmento são consideradas menos puras e não servem para serem usadas para misturas de cores, pois tendem a produzir uma mistura “suja”;
  • CIC (Colour Index Common): É a nomenclatura da cor definido pelo uso do pigmento ou apenas um nome fantasia. Saiba que não são nomes únicos, pois marcas diferentes podem usar o mesmo nome para uma cor, mesmo se os tons forem distintos quando aplicados sobre o papel. Caso necessite de uma cor similar de uma marca mais barata procure na embalagem pelo pigmento utilizado, assim a cor será similar a que você procura;
  • CICN (Colour Index Constitution Number): Código numérico que classifica as cores por sua composição química. Esse código pode também ser usado para localizar os pigmentos, mas não é muito útil, pois não sinaliza logo de cara o tom da cor, além de não ser nada fácil de decorar. Costuma aparecer assim: #00305;
  • CIGN (Colour Index Generic Name): O código que define quais pigmentos foram utilizados na fabricação da tinta. A letra “P” significa pigmento, as letras após o “P” indicam a cor, os números seguintes indicam qual o tom dentro de cada cor.

Exemplos de códigos de cores CIGN:

  • PY = Yellow (Amarelo);
  • PO = Orange (Laranja);
  • PR = Red (Vermelho);
  • PV = Violet (Violeta);
  • PB = Blue (Azul);
  • PG = Green (Verde);
  • PBr = Brown (Marrom);
  • PBk = Black (Preto);
  • PW = White (Branco).

Categorias

O que determina se uma aquarela é profissional ou não, são os ingredientes usados em sua fabricação e, principalmente, seus pigmentos. Os com custo mais elevados possuem qualidade e durabilidade ao longo dos anos. Confira a diferença entre os tipos de aquarela:

  • Escolares: Feitas de pigmentos sintéticos baratos ou corantes;
  • Estudantis (semi-profissionais): Feitas com ingredientes similares às profissionais com substituições por pigmentos mais baratos ou com menos aditivos;
  • Profissionais: Feitas de pigmentos de alta qualidade, naturais e sintéticos.

Separamos alguns exemplos de marcas de cada uma das categorias, a maioria você encontra aqui na Grafitti Artes. Confira a seguir:

Aquarelas Escolares:

Aquarelas de Estudante:

Aquarelas Profissionais:

  • Talens Rembrandt;
  • Schmincke Horadam;
  • Winsor and Newton Artists;
  • Holbein Artist Watercolor;
  • LUKAS Aquarell 1862;
  • Sennelier French Artists;
  • Daler-Rowney Artists;
  • Pebeo Fragonard Extra-Fine Artists;
  • QoR.

Propriedades das tintas de aquarela

Correspondem às qualidades do pigmento utilizado em sua fabricação. Por isso cada cor apresenta diferentes propriedades que influenciam em seu uso e na criação de misturas de cores:

  • Transparency (Transparência): É a qualidade mais buscada nas tintas de aquarela. Quanto maior a transparência de uma cor, maior é o seu brilho. A luz passa através do pigmento e reflete a superfície branca do papel. Essa propriedade permite que diferentes cores possam ser sobrepostas, resultando em uma nova cor, sem perderem o brilho. A mistura de cores transparentes é mais limpa que a mistura de cores opacas e resulta em cores brilhantes e fortes, perfeitas para serem aplicadas umas sobre as outras;
Sobreposição de cores através da transparência

Sobreposição de cores através da transparência

 

  • Opacity (Opacidade): As cores opacas não possibilitam que a luz atravesse o pigmento e reflita o fundo branco do papel. Evite misturar cores opacas com cores brilhantes para não perder a transparência. Cores opacas produzem efeitos interessantes quando aplicadas juntamente com cores brilhantes, pois as destacam ainda mais. A mistura de cores opacas é conhecida como uma mistura suja. Ela tem uma aparência mais pesada e não é boa para aplicar em camadas;
  • Staining e Non Staining (Capacidade de Adesão): Essa é a propriedade do pigmento de se ligar ou não ao papel. Cores com boa adesão não saem facilmente do papel se você tentar retirar com água. Cores com pouco tingimento são as cores que saem mais facilmente, e você poderá retirá-las esfregando com um pincel ou pedaço de pano;
  • Cores com pouca adesão: São utilizadas na técnica conhecida como “lifting” em que a cor é retirada em determinadas partes para produzir efeitos de luz ou receber aplicação de outra cor, são mais fáceis de corrigir e retirar do papel em casos de erros na pintura;
  • Permanence ou Light Fastness (Permanência): Capacidade do pigmento de sobreviver à ação do tempo após a sua aplicação sobre o papel. Quanto maior o grau de permanência, menor serão as alterações sofridas. Cores com pouco grau de permanência podem modificar as suas propriedades com o passar dos anos, o que faz com que a cor possa mudar sutil ou drasticamente, ou até mesmo desaparecer. Não compre ou utilize tintas com pouca permanência;
  • Granulation (Granulação): A granulação é um efeito natural de textura que aparece quando a cor é aplicada sobre o papel. Ela ocorre por causa dos pigmentos que ao entrarem em contato com a água se dispersam e formam pequenos grânulos. Cores com granulação são ótimas para criar texturas em suas pinturas, como a aparência áspera de rochas e troncos de árvore.

Granulação

 

Dica: No site da Winsor Newton você poderá encontrar todos os códigos organizados em inglês, não precisa decorá-los. Por meio desse conteúdo você saberá exatamente qual o tom comprar, evitando cores que na embalagem parece azul mas na verdade é violeta. Também poupará dinheiro comprando tintas de marcas diferentes, com nomes distintos e exatamente a mesma cor, pois são feitas com o mesmo pigmento.

Gostou do artigo? Se precisar de mais informações sobre matérias ou tiver sugestões deixe aqui nos comentários para gente. Confira todos os artigos disponíveis para aquarelas na loja virtual da Grafitti Artes.

Você pode gostar de...

3 Respostas

  1. Angela Maria Ribeiro Mariotto disse:

    Gostaria de saber quais os materiais que vocês tem para pintura aquarela, principalmente tipos de canetas. Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *