5 dicas para usar melhor a sua caneta nanquim

Quando se começa a pesquisar sobre desenho um universo de traços, termos e finalizações são descobertos. Dentre eles, a caneta nanquim se torna resposta constante em buscas sobre traços precisos e acabamento.

Essa ferramenta é uma ótima opção para iniciantes e profissionais, pois está disponível no mercado em diversas marcas e modelos, os quais variam entre importantes quesitos como o tipo de ponta, força do pigmento e a espessura.

Caneta não é tudo igual!

Posto que esse material geralmente possui um valor elevado, muitos iniciantes já devem ter se perguntado: qual a diferença entre finalizar um desenho com canetas esferográficas e canetas nanquim? Primeiramente precisamos entender como cada uma delas funciona.

A caneta esferográfica possui uma microesfera de metal em sua ponta, o lado do círculo que estiver dentro do tubo ficará em contato direto com a tinta. Quando você risca com ela no papel o atrito faz com que essa bola deslize, transferindo assim a tinta da esfera para o papel.

Já a nanquim possui uma fina haste de metal com uma ponta rígida bem porosa, a qual é utilizada para absorver melhor o pigmento. Mergulhada dentro do reservatório ela transfere a tinta para ponta, agindo como uma esponja encharcada que cria um atrito mais suave na folha.

O deslize esferográfico pode acabar fazendo com que ela escape das mãos, limitando os movimentos. Já o traço formado pela tinta nanquim transfere um efeito contínuo ao desenho, tornando este um modelo ideal para finalização. Além da precisão, as canetas esferográficas possuem uma nuance limitada de cores quando comparadas às tintas nanquins.

As espessuras de caneta nanquim

As pontas variam de espessura indo de  0.03, 0.05, 0.1, 0.2, 0.4 até 0.8. Os três primeiros modelos são ultra finos, indicados para definir detalhes delicados em desenhos, bem como criar traços particulares. Às 0.2 e 0.4 são médias, indicadas para os traços comuns. Já as mais grossas como a 0.8 podem ser utilizadas para pintar as áreas maiores da sua obra.

Também é preciso estar atento às diferenças entre as pontas da caneta nanquim. A ponta das versões descartáveis tende a ir abrindo conforme o uso, além de não possuir aberturas traseiras para a substituição do refil. Já as de aço, são mais resistentes ao uso exaustivo da caneta como ferramenta de desenho, podendo ser recarregadas sempre que necessário.

Cuidados para fazer a sua caneta nanquim durar mais

  • Esboce muitas vezes com o lápis antes de transferir o traço do papel. Assim você evitará fazer reajustes de última hora. É melhor usar tempo com grafite e borracha do que gastar muito com tinta;
  • As canetas nanquim 0.1 são muito delicadas, recomendamos que você não force a ponta delas pois poderá quebrá-la. Áreas chapadas de preto não podem ser pintadas com esse modelo, pois além de correr um grande risco de estragá-la você gastará muito tempo para cobrir tudo. Para esse tipo de preenchimento dê preferência ao uso de brush pen (canetões) para áreas maiores;
  • Outro cuidado fundamental é relativo à tampa. Nunca deixe sua caneta nanquim sem tampar pois isso fará com que a esponja da ponta resseque sendo necessário forçá-la cada vez mais para que a tinta volte a fluir. Essa pressão tornará a sua ponta mais sucessível ao desgaste.

Conheça as marcas mais usadas

Staedtler: Descartável, tem o pigmento com a melhor fixação;

Uni-Pin: Descartável, possui as pontas mais finas do mercado (00.3);

Stabilo: Descartável, apresenta o menor preço, ideal para iniciantes;

Sakura: Descartável, possui a maior variedade de cores disponíveis;

Escolha entre as versões normais e aquareladas

As versões solúveis em água podem entrar em estado aquarela mesmo com apenas um leve aumento na umidade, como por exemplo o seu próprio calor corporal. Isso pode fazer com que a tinta borre e arruíne o seu desenho. Se seu objetivo não for criar um efeito aquarelado sempre dê preferência para os modelos à prova d’água e borrões.

Use o papel ideal

Outro ponto que pode prejudicar a qualidade final do seu desenho é ignorar a gramatura do papel. Folhas mais finas não suportam a tinta das canetas nanquins e podem vazar para o outro. Para evitar rasuras basta escolher um papel com gramatura mais alta, específica para este uso, como os produtos disponíveis na Grafitti Artes.

O que comprar para começar?

Ao contrário do que muitos pensam não é necessário comprar todas as cores e espessuras de uma só vez. Para um kit inicial indicamos a aquisição de um brush pen, uma nanquim de ponta grossa, uma nanquim de ponta média, e uma nanquim de ponta fina.

Como melhorar minhas habilidades com caneta nanquim?

Uma dica geral que dá um efeito super bacana é relativa às bordas. Quando for utilizá-la você pode optar por não cobrir todos os traços feitos a lápis, deixando pequenos espaços em branco que darão um aspecto mais real a sua obra.

Por fim, para aprimorar as suas skills com essa ferramenta, tal como qualquer outra técnica, é preciso ter boa vontade e tempo livre para praticar sempre que possível. Se você gostou dessas 5 dicas não se esqueça de comentar abaixo e compartilhar o post em suas redes sociais.

Você pode gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *