Sketchbook The Grey Book da Hahnemühle

Se você é designer, arquiteto ou trabalha com ilustrações e desenhos, certamente já está familiarizado com os famosos Sketchbooks – cadernos que podem ser utilizados para rascunhar qualquer tipo de coisa: ideias, reflexões, projetos, pensamentos e claro, desenhos -.

Esse tipo de caderno é considerado extremamente pessoal, pois muitas vezes não segue nenhuma lógica, a não ser a do próprio autor do caderno.

Sketchbooks na História

Os sketchbooks são usados não apenas por artistas contemporâneos. Essa é, na verdade, uma prática datada desde o Renascimento.

Com a consagração da pintura como uma das principais formas de representação artística, os artistas se especializaram e os trabalhos de arte passaram a ser obras planejadas. Por conta disso, eles criavam esboços antes de cobrir as superfícies com tinta. Os sketches (rascunhos) acompanharam toda a evolução da arte até nossos dias, propagando-se a partir do ano 1700, quando os lápis começaram a ser fabricados e utilizados. Pela simplicidade e multifuncionalidade, os lápis se tornaram as ferramentas de desenho preferidas dos artistas e a facilidade de seu uso fez com que os esboços passassem a ser mais abundantes do que em épocas passadas.

O barateamento das técnicas de impressão do século XX levou à duplicação das obras de arte por meio de processos gráficos e em forma de livros, e consequentemente, à reprodução dos cadernos de esboços dos artistas. Diversos artistas famosos fizeram uso de sketchbooks, como Leonardo Da Vinci, Edgar Degas e Pablo Picasso.

Por que utilizar um Sketchbook

Utilizar um sketchbook para organizar seus registros e ideias é um hábito que vale a pena ser cultivado. Quando se está na fase de elaboração de um projeto, o ideal é anotar tudo, porque mesmo que as ideias não pareçam tão adequadas no momento, elas podem ser utilizadas futuramente em outros projetos. Além disso, seu sketchbook é o lugar perfeito para realizar experimentos. Você pode usar aquela cor que sempre quis testar ou escrever sobre aquele assunto que você acha que não domina tanto.

Imagine se os artistas que citamos acima não tivessem registrados e arquivados seus rascunhos das obras que conhecemos hoje. Quanto trabalho teríamos para compreender e conhecer suas histórias como artistas através do tempo? Por isso, o ideal é não perder aqueles insights que surgem de repente, deixando tudo devidamente registrado em seu sketchbook.

Se você se interessou e está em busca de um sketchbook, temos uma ótima indicação!

The Grey Book da Hahnemühle

A Associação Alemã da Indústria de Marcas PBS-Office nomeou o The Grey Book como “Produto do ano 2018”. Disponível em A4 e A5, o sketchbook The Grey Book, da marca Alemã  Hahnemühle, possui folhas de papel para desenho em tom cinza claro e muito lisas. Foi projetado especialmente para trabalhar com canetas técnicas, marcadores acrílicos e outras canetas à base de água e de baixa fricção. A superfície do papel apresenta uma estrutura densa com alta capacidade de retenção das tintas e pouca absorção. Permite que o artista trabalhe de claro a escuro e finalize com acentos em branco. A capa do caderno de cor cinza grafite é durável e lembra a estrutura de madeira nobre, sendo muito agradável ao tato. Sua encadernação costurada faz com que as páginas permaneçam planas quando abertas e pode até mesmo ser pintado sobre a dobra central. Uma fita marcadora vermelha completa a composição deste livro artístico de alta qualidade. O livro tem 40 folhas (80 páginas) de 120 g/m², o que significa que é perfeitamente adequado para se tornar um companheiro de viagem, proporcionando espaço suficiente para muitos desenhos! Para mais informações e comprar o seu The Grey Book, visite nossa  loja online.

Você pode gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *