Descubra Janet Echelman

Hoje homenageamos a artista Janet Echelman, que desafia a categorização. Famosa por trabalhar com esculturas experienciais na escala de edifícios, que se transformam com a luz e o vento, ela cria obras de arte utilizando materiais incomuns como arrastões em partículas de água atomizada e combina antiga tecelagens com tecnologia de ponta que se tornaram pontos focais na vida urbana. Quer saber mais sobre esse trabalho? Continue lendo o nosso artigo.

O depoimento para a edição de 2011 do TED

A artista confessou nunca ter estudado arquitetura ou engenharia antes de construir as esculturas. Explicou que à princípio, seus trabalhos foram criados para serem “frágeis e efêmeros”. Mas com o passar do tempo, a pedido de muitos que admiravam e queriam suas esculturas de forma permanente, desenvolveu uma máquina capaz de confeccionar as redes em escalas maiores. Sua palestra no TED “Taking Imagination Seriously” foi traduzida para 35 idiomas com mais de um milhão de visualizações. Classificada como número um na lista de 50 coisas que fazem você dizer Wow!, da Oprah Magazine.

janet echelman

Janet Echelman segurando um de seus trabalhos

Carreira

Após se formar em Harvard, partiu em busca de uma especialização da carreira na Ásia. Em 1987, mudou-se para Hong Kong, com intuito de estudar caligrafia chinesa e pintura com pincel. Mais tarde, mudou-se para Bali, na Indonésia, onde combinou seus conhecimentos com os de artesãos para criar métodos têxteis que mesclavam o tradicional a pintura contemporânea. Em um incêndio perdeu a casa e acabou retornando aos EUA onde lecionou em Harvard.

O acaso pode criar coisas magníficas

Sua descoberta, na verdade, teve início em outro pequeno incidente. Após sete anos como Artista-Residente em Harvard, retornou à Ásia embarcando para uma conferência da Fulbright na Índia. Com a promessa de fazer exposições em todo o país, enviou suas pinturas para Mahabalipuram, uma vila de pescadores famosa pela escultura em bronze. Mas seus quadros, tinta e telas nunca chegaram. Echelman, inspirada pelos materiais e cultura local, procurou formas de manter a sua exposição. A princípio pensou em trabalhar com esculturas de bronze, pois este era material abundante na aldeia.

Contudo, o material era muito pesado e caro para seu orçamento na Fulbright. Enquanto observava os pescadores locais, empacotando suas redes durante a noite, a artista começou a se perguntar se as redes poderiam ser uma nova abordagem para a escultura: uma maneira de criar formas volumétricas sem materiais pesados ​​e sólidos. Içando-os em postes, ela descobriu que suas superfícies delicadas revelavam cada onda de vento. No final do ano de Fulbright, criou uma série de esculturas em rede em colaboração com os pescadores. Esse foi seu primeiro resultado:

Wide Hips

Wide Hips a primeira escultura de Janet Echelman.

Prêmios e reconhecimento

Recebedora da Guggenheim Fellowship, da Loew Fellowship da Universidade de Harvard, da Fulbright Lectureship e da Aspen Institute Crown Fellowship. Foi nomeada Architectural Digest Innovator por “mudar a própria essência dos espaços urbanos”. Recentemente recebeu o Smithsonian American Ingenuity Award em Artes Visuais, homenageando “Os maiores inovadores da América hoje.”

O sucesso espalhado pelo mundo

Atualmente Echelman constrói esculturas em rede em cidades metropolitanas. Vê a arte pública como um trabalho em equipe e colabora com uma variedade de profissionais, incluindo engenheiros aeronáuticos e mecânicos, arquitetos, designers de iluminação, paisagistas e fabricantes. Janet Echelman construiu seu estúdio ao lado de sua casa, onde mora com o marido David Feldman e seus dois filhos. Confira alguns trabalhos da artista:

Escultura no Madrid Plaza Mayor - Espanha

Escultura no Madrid Plaza Mayor – Espanha. (foto: Dezeen)

 

Her Secret is Patience

“Her Secret is Patience” (foto: Valentin Berechet)

Confira mais fotografias dos trabalhos de Janet Echelman em seu website.

Você pode gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *